sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Sexta Feira Bagaceira: Khaled


Não foi com "El Arbi" que Khaled Hadj Ibrahim ganhou o mundo. "El Arbi" foi, sim, trilha pra dança rameira da Feiticeira naquele esquecível Programa H do Luciano Huck e fez a fama do autointitulado "Rei do Raï" (espécie de folk tradicional argelino) aqui no Brasil, mas o estouro do single "Didi" é que botou Khaled no mapa mundi. Ornamentada com a perfumaria eletrônica disponível no começo dos 90, a faixa foi produzida pelos espertos Don Was (Was [Not Was]), Michael Brook e Tim Simenon (Bomb The Bass) - responsáveis pela felicíssima ideia de fundir o raï com beats e texturas de R&B - e ganhou a Europa rapidamente.

"El Arbi" (do mesmo álbum, o inovador Khaled, de 1992) no entanto, tem um apelo irresistível - desde sua batida fornecida por baterias eletrônicas até o mix sedutor de instrumentos tradicionais como o acordeom e sintetizadores emulando flautas encantadoras. E tem o figuraça Khaled e seu canto ininteligível e hipnótico, colocando pistas de dança abaixo desde os anos 90.

"El Arbi": ventres em polvorosa.

4 comentários:

  1. Respostas
    1. Esse disco é muito legal. Metade é o raï tradicional, com instrumentos acústicos. A outra metade é funde o canto do Khaled com bases eletrônicas (minha parte preferida).

      Excluir
  2. Achei uns vídeos no youtube catando ao vivo.Bem bacana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa! Nem pensei nessa possibilidade. Vou catar.

      Excluir

Spam, get outta here!